.

.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

APÓS PARTO ESPONTÂNEO EM SUA CASA MULHER LEVA Á MATERNIDADE CRIANÇA JÁ MORTA

Após um parto espontâneo em sua casa, uma mulher de 32 anos foi à Maternidade Municipal de Londrina na tarde desta sexta-feira (26) carregando a criança morta. A gestação já se aproximava dos nove meses e o nascimento do bebê era previsto para o início de setembro. A mulher já tem três filhos. 

Diante do ocorrido, os funcionários da maternidade resolveram acionar a Polícia Militar (PM), que mandou uma equipe para lavrar um boletim de ocorrência (BO) no local. Investigadores da 4º Distrito Policial (DP) também estiveram na unidade médica durante a tarde para colher informações. Um inquérito será aberto para apurar a causa da morte da criança, cujo corpo foi recolhido ao Instituto Médico-Legal (IML) para autópsia. A Polícia Civil acompanha o caso e deverá ouvir a mãe e testemunhas a partir da semana que vem. 

De acordo com a avó da mulher, que preferiu não se identificar, ela começou a passar mal por volta das 9h e o menino nasceu logo depois, com o cordão umbilical enrolado no pescoço. A mulher, que mora no Jardim Califórnia, na zona sul de Londrina, não acionou os serviços de saúde e esperou seu marido chegar em casa - o que ocorreu por volta das 12h - para decidir o que fazer. Depois, ambos foram à maternidade acompanhados de familiares. 

(com informações do repórter Paulo Monteiro, do jornal NossoDia)

TRÊS BRASILEIRAS QUE ESTAVAM DESAPARECIDAS EM PORTUGAL FORAM ENCONTRADAS MORTAS DENTRO DE UM POÇO NESTA SEXTA FEIRA 26

Três brasileiras que estavam desaparecidas desde janeiro deste ano foram achadas mortas, nesta sexta-feira (26), dentro de um poço perto de um aeroporto em Portugal. 

Segundo o jornal "Sol", de Portugal, eram duas irmãs: Michele Santana Ferreira, de 28 anos, que estava grávida, e Lidiana Neves Santana, de 16 anos. E mais uma amiga delas, Thayane Milla Mendes, de 21 anos. 

Este poço fica num hotel para cães e gatos, no qual o namorado de Michele, principal acusado, trabalhava. 

A mãe das irmãs, Solange Santana Leite, de 50 anos, recebeu a notícia da morte das jovens por meio de uma amiga que reside em Portugal. 

De acordo com informações, Michele já morava em Lisboa, há 9 anos, junto com outro brasileiro. E no fim de 2015, ela convidou a irmã para ir morar com ela. Em seguida, a amiga também embarcou para o país. 

GoFundME/Reprodução
GoFundME/Reprodução


Ao jornal Extra, Solange afirmou que na esperança de ter alguma notícia sobre as três, entrou em contato com o namorado de Michele, que disse que estavam todas bem, mas que iriam para Londres. 

O namorado afirmou ainda que Michele havia largado o emprego e saído do Facebook para não ser encontrada pela ex-patroa. Mas Solange desconfiou desta versão. 

Ainda conforme Solange, após o desaparecimento das jovens, o namorado voltou para o Brasil, onde tem um filho com outra mulher. 

O companheiro, o qual não teve o nome divulgado, já foi ouvido pela polícia no Brasil, mas não há novas informações sobre o caso. 

No mês de maio deste ano, o Itamaraty confirmou que acompanhou o caso desde fevereiro. Mas não há registros da saída delas de Portugal e nem da entrada no Reino Unido. (com informações do Extra)

MOTOCICLISTA BATE MOTO EM VEÍCULO PARADO SOFRE FRATURAS

Um motociclista de 51 anos sofreu fraturas após colidir contra um carro estacionado na tarde desta sexta-feira (26). O acidente aconteceu por volta das 17h, na rua Guaporé, nas proximidades da avenida Brasília, na região central de Londrina.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, a vítima tinha fraturas expostas em dois pontos de uma das pernas, um perto do joelho e outro do tornozelo. Apesar das lesões, o motociclista passava bem. Após o atendimento do Siate, ele foi encaminhado a um hospital de Londrina. bonde.com

HOMEM DE 64 ANOS É ENCONTRADO MORTO PELA FAMÍLIA

Um homem de 64 anos, identificado como Euclides Medeiros dos Santos, foi encontrado morto no início da tarde desta sexta-feira (26) em casa na rua Jácomo Jacob Batistela, número 32, no jardim Indusvile, zona norte de Londrina. A Polícia Militar foi comunicada pela própria família da vítima, que encontrou o idoso em óbito durante a manhã. 

De acordo com o tenente Bruno Franceschet, porta-voz da 4ª Companhia Independente, o homem estava sozinho em casa e apresentava um hematoma na região da cabeça. "Não sabemos se é um homicídio ou morte provocada por queda"', comentou. Santos seria um 'homem pacífico e um cidadão de paz. Os parentes até se assustaram quando encontraram ele daquela forma', afirmou o oficial. 

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso. O corpo foi recolhido ao Instituto Médico Legal (IML) de Londrina.bonde.com

TRIBUNAL MANTÉM BLOQUEIO DOS BENS DE EDUARDO CUNHA

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) manteve a indisponibilidade dos bens do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara. O bloqueio havia sido obtido liminarmente pelo Ministério Público Federal em ação de improbidade administrativa movida contra Eduardo Cunha por suposto recebimento de propinas na compra pela Petrobras, em 2011, de campo de petróleo em Benin, na África. A ação, de caráter cível, tramita paralelamente à ações penais da Operação Lava Jato. 

O Ministério Público Federal cobra R$ 80,67 milhões do presidente afastado da Câmara e mais R$ 17,8 milhões da mulher dele, na ação de improbidade administrativa. O valor corresponde ao acréscimo patrimonial ilícito de Cunha e Cláudia e ressarcimento do dano causado ao erário na compra de campo de petróleo em Benin, na África, em 2011 - negócio que teria resultado numa propina de US$ 10 milhões, parte dela repassada ao peemedebista. 

A decisão do Tribunal é de quarta-feira, 24. A defesa de Cunha ajuizou recurso no tribunal para suspender a decisão liminar da 6ª Vara Federal de Curitiba, de 14 de junho. Os advogados alegaram que não "existem elementos concretos que indiquem enriquecimento ilícito por parte do deputado em decorrência do exercício do mandato, nem indícios de vinculação com o esquema de corrupção da Petrobras ou provas de que a origem dos valores retidos seja ilícita". A defesa sustentou ainda que o foro competente seria o do Distrito Federal. 

Segundo o relator do processo, desembargador federal Ricardo Teixeira do Valle Pereira, foram apresentados "elementos suficientes para demonstrar a suposta prática de atos de improbidade, havendo fortes indícios do recebimento de vantagens indevidas decorrentes de contratações realizadas no âmbito da Diretoria Internacional da Petrobras, com movimentação de valores expressivos e direcionamento de quantias em favor dos réus, entre eles Eduardo Cunha". 

Na decisão, Pereira listou transações bancárias com transferência de valores provenientes da exploração da plataforma da Petrobras de Benin/África para o trust (fusão de empresas que administram recursos de terceiros) Triumph, que tem Cunha por instituidor e beneficiário. O desembargador apontou que em maio de 2007, a conta da Triunph tinha 3,5 milhões de dólares de origem desconhecida. 

"Tenho por evidenciados os requisitos para a decretação da medida acautelatória, pelo que deve ser mantida a indisponibilidade dos bens, independentemente de já ter sido determinado o bloqueio de valores no exterior, por meio de cooperação internacional", decidiu o desembargador. 

Quanto à competência da Justiça Federal de Curitiba para julgar a ação de improbidade administrativa, Pereira afirmou que o dano cometido transcende as unidades da federação, podendo esta ser proposta na capital de qualquer seção judiciária, desde que seja foro federal. 

"É relevante salientar que a maior parte dos elementos probatórios relativos aos atos imputados aos réus está concentrada na Subseção Judiciária de Curitiba/PR, por força das investigações que lá foram e continuam sendo levadas a efeito, devendo tal critério também ser considerado como parâmetro para definição da competência", ponderou o desembargador. 

Também são réus na mesma ação e seguem com os ativos bloqueados a mulher de Eduardo Cunha, Cláudia Cordeiro Cruz, e os investigados na Operação Lava Jato Jorge Luiz Zelada, João Augusto Rezende Henriques e Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira. A decisão é em caráter liminar e deverá ser confirmada ou não pela 3ª Turma em julgamento ainda sem data marcada.

RENAN CALHEIROS EM NOTA DIZ TER INTERFERIDO POR GLEISI E SEU MARIDO

Após se envolver em um bate-boca que começou com a senadora Glesi Hoffmann (PT-PR) e terminou com um empurrão no senador Lindberg Farias (PT-RJ), o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL), divulgou nota em que esclarece as declarações feitas na manhã desta sexta-feira (26), durante a sessão de julgamento da presidenta afastada Dilma Rousseff. 

Na única manifestação desde que o julgamento foi aberto, Renan criticou fala da senadora petista na tarde de ontem. Segundo Gleisi, o Senado não tem condições morais de julgar a presidenta afastada. Renan endureceu o tom ao dizer que ajudou Gleisi e o marido, o ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo, indiciados por corrupção passiva na Operação Lava Jato, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). 

"Como uma senadora pode fazer uma declaração dessa? Exatamente, senhor presidente, uma senadora que, há 30 dias, o presidente do Senado Federal conseguiu, no Supremo Tribunal Federal, desfazer o seu indiciamento e do seu esposo", indagou Renan dirigindo-se ao ministro Ricardo Lewandowski, presidente da Suprema Corte, que comanda o julgamento do processo de impeachment de Dilma. 

À época da prisão de Paulo o Bernardo, no fim de junho, Renan determinou que Advocacia-Geral do Senado ingressasse no STF com uma manifestação pública e institucional decorrente da operação de busca e apreensão realizada no imóvel funcional ocupado por Gleisi e do indiciamento da senadora pela Polícia Federal. 

Na nota divulgada hoje, Renan destaca que "a Reclamação 24.473 versa sobre a preservação da imunidade parlamentar na operação de busca de apreensão em imóvel do Senado Federal da senadora". Ná na Reclamação 23.585, que trata do indiciamento da senadora pelo delegado da Polícia Federal, o Senado Federal tentou desfazer o indiciamento", acrescenta a nota. 

No texto, Renan lembra que o relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Teori Zavascki, respondeu que a "reclamante acabou denunciada pela suposta prática dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro" no Inquérito 3.979. "Como se constata, as intervenções do Senado Federal são impessoais, transparentes e ditadas pelo dever funcional no intuito de defender a Instituição e as prerrogativas do mandato parlamentar", afirma a nota de Renan, que lamentou o que chamou de provocações.

POLÍCIA FEDERAL INDICIA LULA E MARISA SOBRE ASUPOSTA OCULTAÇÃO DE UM TRÍPLX

A Polícia Federal (PF) indiciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua esposa, Marisa Letícia, nesta sexta-feira (26) no âmbito da investigação sobre a suposta ocultação de um tríplex no Guarujá. 

Ele é suspeito dos crimes de corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Segundo o delegado Márcio Adriano Anselmo, Lula "foi beneficiário de vantagens ilícitas, por parte da OAS, em valores que alcançaram R$ 2,4 milhões referentes as obras de reforma no apartamento 164-A do Edifício Solaris, bem como no custeio de armazenamento de bens do casal". O apartamento, localizado no edifício Solaris, estava registrado em nome da empreiteira, acusada no âmbito da Operação Lava Jato, mas teria sido oferecido ao ex-presidente como troca de favores. Lula nega as acusações. 

Marisa comprou uma unidade no condomínio em 2004, mas não o tríplex que está sendo investigado. Ela, no entanto, teria sido vista diversas vezes no local. O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e o ex-presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro, também foram indiciados pelos mesmos crimes. 

Os crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica preveem penas de três a 10 anos de prisão e de um a três anos de prisão, respectivamente.